Blog

17

NOV - 2017

Gestão de risco: o que é e por que fazer?

Qualquer projeto ou negócio está sempre sujeito a uma série de riscos - e eles podem causar prejuízos enormes se não tiverem sido identificados previamente. É justamente para evitar essas chances de grandes danos que existem o conceito e as metodologias de gestão de risco. Quando se trata da área de TI, fazer essa gestão é duplamente importante, principalmente porque essa área é cada vez mais estratégica e está na base dos outros processos de uma empresa.


Mas o que uma gestão de riscos efetivamente significa? Essa expressão está relacionada ao processo que envolve planejamento, identificação, organização, análise e controle dos riscos que podem afetar o andamento de um projeto. Assim, é possível tentar minimizar as perdas e até mesmo aproveitar oportunidades.

 


Como fazer a gestão de riscos de um projeto

Existem metodologias diferentes para ajudar a gerenciar esse processo. Deve-se escolher uma que esteja relacionada às necessidades das equipes e das organizações que vão colocá-la em prática. Entretanto, alguns dados estão na base de todas as metodologias e vale conhecê-los para entender como fazer.


Primeiro, deve-se fazer o levantamento dos riscos envolvidos em um projeto. A partir dessa lista, a equipe precisa fazer uma análise dos riscos, mensurando as probabilidades de eles acontecerem e o grau do impacto que podem causar. O cruzamento desses dados leva a uma priorização dos riscos.


Depois, deve-se selecionar os riscos mais graves e buscar estratégias para eliminá-los ou, pelo menos, minimizá-los. Vale destacar que a gestão não é uma ação, mas um processo. Por isso, a listagem feita na fase de planejamento deve ser acompanhada e revisada ao longo de todo o andamento do projeto.

 


O custo da gestão de riscos

Há gestores que consideram os gastos com situações que não necessariamente vão acontecer como desperdício de dinheiro. Esse é um pensamento muito atrasado, pois os custos da gestão do risco significam, na verdade, investimentos em segurança para o projeto.
Será que não vale a pena mesmo alocar tempo e verba para um procedimento de backup das informações dos clientes de uma empresa, perto do risco de perder todos esses dados por causa de um problema no servidor?


Se a sua empresa não tem equipe disponível e capacitada o suficiente para monitorar um importante banco de dados por 24h, por exemplo, não é sensato terceirizar esse serviço para evitar horas de crise? Quando colocamos as situações em uma balança, é possível avaliar e perceber que o gasto nos casos de qualquer dos riscos realmente acontecer seriam muito maiores.

 


Por outro lado, correr riscos não é necessariamente ruim

Isso não quer dizer que a gestão dos riscos não deve ser feita, mas exatamente o contrário. Além do levantamento de ameaças, é possível identificar riscos bons que uma empresa pode correr por meio da identificação das oportunidades. Em um mercado concorrido como o de TI, muitas vezes é a coragem de correr riscos que faz com que algumas empresas se destaquem e consigam agregar valor à sua marca, tornando-se muito mais bem-sucedidas.


Mas, para obter sucesso com isso, é preciso que a avaliação destes riscos seja feita de maneira planejada e bem controlada, ou pode se tornar uma arma contra a própria organização.
 
Na sua empresa, a gestão de riscos é utilizada para evitar imprevistos? Continue acompanhando nosso blog para ter sempre dicas e informações úteis, e não deixe de entrar em contato conosco para saber mais sobre gestão de riscos e conhecer tudo que podemos fazer para ajudar sua organização a ter ainda mais sucesso.
 

 

 

Leia também:

• Conheça os 4 maiores desafios da gestão de riscos em TI

• Como melhorar a segurança por meio da gestão de riscos da TI

• O que é RTO e RPO e o que você deve considerar para defini-los?

Mais Notícias